Ir para o conteúdo

Como Reduzir as Disparidades de Grupos Minorizados na Saúde com o uso da Simulação

Diversidade no Treinamento de Cuidados da Saúde

As pesquisas indicam que cerca de 36% da população nos Estados Unidos, pertencem a um grupo de minoria racial ou étnica — e essa porcentagem só deve crescer.1 À medida que país se torna cada vez mais diversificado, o mesmo acontece com a população de pacientes. E, isso afeta diretamente como os profissionais de saúde são treinados para suas funções.

Em comparação com pacientes brancos, membros de minorias raciais e étnicas são menos propensos a receber serviços de saúde preventivos e muitas vezes recebem cuidados de qualidade inferior.2 Mesmo após considerar renda, vizinhança e seguro saúde — fatores normalmente usados para explicar as disparidades raciais — os pacientes negros obtiveram resultados ainda piores em comparação aos pacientes brancos.3 Para combater a desigualdade, os especialistas afirmam que os profissionais da saúde devem reconhecer que tanto o racismo estrutural quanto os preconceitos implícitos existem.4

2x

Pacientes afro-americanos têm duas vezes mais chances de sofrer um derrame. *

40%

Os porto-riquenhos relatam a maior taxa de depressão, 40%. **

57%

Homens asiático-americanos e das ilhas do Pacífico têm 57% mais chances de morrer de câncer de fígado. ***

Os dados mostram que a população dos EUA se tornará cada vez mais diversificada, e isso significa que o método de tratamento de todos os pacientes deverá ser padrozinado.

O treinamento com a simulação clínica é frequentemente elogiado pela metodologia e oportunidade dos alunos interagirem com um paciente como no “mundo real”. Então, por que não aumentar esse realismo usando um paciente completo - com diferenças raciais, étnicas, socioeconômicas, geográficas e religiosas?

Abaixo, mostramos como a simulação pode preparar seus alunos para tratar pacientes que fazem parte de uma minoria racial ou étnica. Especificamente, enfocamos a importância de desenvolver a competência cultural e sensibilidade para a alfabetização em saúde dos pacientes. Concentrando seus esforços de treinamento no tratamento e criando uma consciência das disparidades existentes, seus alunos aprenderão com a prática a tratar todos os pacientes de forma igualitária.

Desenvolvendo Competência Cultural em Alunos

As minorias raciais e étnicas representam mais de 25%  da população dos EUA, mas apenas 10% dos provedores de saúde do país.5 Embora os sistemas de saúde estejam bem cientes de que diversificar a equipe e as posições de liderança é fundamental, os especialistas também apontam a necessidade de educar a todos para reconhecer o porquê das diferenças culturais serem tão importantes.

O cuidado culturalmente competente e centrado no paciente, concentra-se nas diferenças culturais, necessidades, valores, preferências e disposições de cuidado individualizadas como um método para alcançar o melhor resultado possível para o paciente.6 Não é tanto um ponto final para se lutar, mas é um processo de aprendizagem contínuo para os profissionais de saúde. A boa notícia é que o desenvolvimento de competência cultural não exige que os provedores sejam da mesma raça ou etnia que seus pacientes. No entanto, exige que os provedores adaptem como se comunicam, avaliam e diagnosticam.

O Treinamento de Competência Cultural Pode Melhorar:7

Conhecimento, compreensão e habilidades de um profissional de saúde para tratar pacientes

A satisfação do paciente com um profissional de saúde

Pode ser difícil ensinar competência cultural apenas por meio de livros didáticos e palestras. A pesquisa mostra que é melhor aprendido com o tempo e deve envolver um processo de autorreflexão.8 A simulação pode ajudar a criar um ambiente de aprendizagem que seja representativo da sociedade diversa que os alunos servirão. E, o debrief da simulação pode fornecer um ambiente que conduza cada aluno a refletir sobre suas atitudes e comportamentos.

Um estudo binacional mostrou que os alunos de enfermagem melhoraram a consciência cultural após participarem de uma experiência de simulação.9 Neste estudo, os alunos usaram uma lista de verificação de avaliação como um guia para compreender seus pacientes simulados. Enquanto a lista de verificação reforçou questões e observações que são importantes em uma interação transcultural (ou de qualquer outra) paciente, a própria simulação ofereceu a oportunidade de colocar a teoria em prática.

A Simulação de Sucesso...

A paciente simulada é uma índia Cherokee com queixa de sangramento menstrual anormal que é resistente a cuidados ginecológicos de profissionais do sexo masculino. Após a simulação, os alunos descobrem que diagnosticaram e manejaram incorretamente o paciente. Eles perceberam sua incapacidade de detectar pistas culturais e o impacto que teve no atendimento geral do paciente.10

 

A simulação pode ajudar a criar uma experiência de aprendizado reveladora, levando a uma maior autoconsciência nos alunos que, de outra forma, seriam difíceis de alcançar. A competência cultural que eles podem obter do treinamento de simulação pode, em última análise, salvar a vida de pacientes pertencentes a minorias.

Melhorando a capacidade do aluno de gerenciar o baixo nível de alfabetização em saúde do paciente

Uma mensagem dita não é necessariamente uma mensagem compreendida. Para as interações paciente-provedor, nas quais os profissionais de saúde muitas vezes podem superestimar a alfabetização do paciente. Dependendo da compreensão do paciente sobre sua própria saúde e da capacidade do profissional de comunicar informações em termos leigos, muito contexto pode ser perdido.

Do conhecimento de saúde auto-relatado a comportamentos preventivos, gerenciamento de doenças crônicas e hospitalização, os indivíduos com alfabetização em saúde limitada se saem pior do que os alfabetizados em saúde.11 Ainda mais preocupante é que grupos raciais e étnicos minoritários e aqueles em desvantagem socioeconômica, idosos ou imigrantes, são desproporcionalmente limitados em sua alfabetização em saúde.12 Isso pode levar os pacientes a evitar totalmente os cuidados, a não adesão à medicação, a custos médicos mais elevados e a um caminho ineficiente para a recuperação.13,14


Estima-se que 41% dos Latinos não possuem habilidades básicas de alfabetização em saúde.15


Para profissionais de saúde (atualmente em exercício ou em treinamento), esta é uma área que o treinamento de simulação pode oferecer grande melhoria. Além de desenvolver competência cultural, os alunos podem trabalhar deliberadamente para fortalecer suas habilidades de comunicação interpessoal para facilitar conversas saudáveis entre paciente e provedor. Isso pode incluir ganhar a confiança do paciente, ajudá-lo a comunicar suas necessidades e facilitar a tomada de decisão compartilhada ao pesar as opções de tratamento.16

Uma pesquisa com alunos do bacharelado em enfermagem mostrou que a simulação evocou a empatia dos alunos e impactou sua comunicação futura com os pacientes.17 Um estudo separado mostrou que a simulação clínica pode ser usada para eliciar as atitudes dos alunos em relação a situações transculturais e, subsequentemente, melhorar as habilidades de comunicação e enfermagem.18 Ao desenvolver a empatia e as habilidades do aluno, os provedores estão mais bem preparados para entrevistar, comunicar informações médicas e fornecer tratamento a pacientes de diversas origens étnicas e raciais.

Se você está procurando alternativas para seus alunos desenvolverem sua sensibilidade com os pacientes de uma minoria racial ou étnica, pode considerar o treinamento de simulação como uma solução. Os alunos podem aprimorar suas habilidades de avaliação do paciente adotando uma abordagem cuidadosa para a educação em saúde, o que pode levar a diagnósticos mais precisos, melhor adesão à medicação e mais vidas salvas.

Como preparar a próxima geração de profissionais de saúde

O Bureau of Labor dos Estados Unidos projeta uma demanda de 1,1 milhão de novos enfermeiros até 2022, quando o envelhecimento da população exigirá 575.000 cargos recém-criados, além de substituições para os 550.000 enfermeiros que deverão se aposentar.19 E, a esta altura, mais da metade espera que as crianças do país façam parte de uma raça ou grupo étnico minoritário.20 Isso significa que aumentar e diversificar o número de provedores são metas importantes para a saúde. No entanto, os especialistas afirmam ser igualmente (se não mais) importante aumentar a diversidade e a competência cultural desses profissionais.21

Para treinar efetivamente a próxima geração de provedores de saúde e prepará-los para tratar pacientes de todas as origens, a Laerdal está empenhada em desenvolver nossas soluções de simulação mais populares em diferente tons de peles.

Ao usar a simulação para treinar para diversos corpos de pacientes, os alunos devem saber o impacto das características culturais no cuidado de um paciente. Um simulador em um tom de pele mais escuro serve para adicionar realismo à situação, ao invés de confiar apenas na imaginação.

A simulação pode ajudar a desenvolver seus alunos em profissionais de saúde vigilantes são meticulosos em suas observações. Primeiro, você deve levar os alunos de um estado de “incompetência inconsciente” para a “incompetência consciente”; só então você poderá treiná-los para se tornarem profissionais de saúde totalmente competentes.

Os alunos podem começar a valorizar o impacto de sua compreensão cultural e aplicar essa compreensão ao seu papel de salvar vidas. O treinamento para cuidar de várias origens étnicas e raciais inevitavelmente, melhora o atendimento a todos.

Vamos falar sobre diversidade em seu treinamento

<p>Trataremos de seus dados pessoais de contato com cuidado, conforme descrito em <a href="/br/support/customer-service/privacy-policy/" target="_blank" rel="noopener">Laerdal's Privacy Policy</a>.</p>

Trataremos de seus dados pessoais de contato com cuidado, conforme descrito em Laerdal's Privacy Policy.

References

  1. Centers for Disease Control and Prevention. (2019). Minority health. Retrieved from https://www.cdc.gov/minorityhealth/index.html
  2. Hostetter, M. & Klein, S. (2018). In focus: Reducing racial disparities in health care by confronting racism. The Commonwealth Fund. Retrieved from https://www.commonwealthfund.org/publications/newsletter-article/2018/sep/focus-reducing-racial-disparities-health-care-confronting?utm_campaign=tw&utm_source=hs_email&utm_medium=email&utm_content=66476869&_hsenc=p2ANqtz-93AREu3mcWTbSh4JHFNlbvVkjj-sGbEY1fF8IBGhSRITuWF842vYkLO_02Lj4URyZJWbXKEY0JnerP1C33ImkdzEFwlzKOueBxyaDA4F22W-Hph5g&_hsmi=66476869
  3. Ibid.
  4. Ibid.
  5. National Conference of State Legislatures. (2014). Workforce diversity. Retrieved from http://www.ncsl.org/documents/health/workforcediversity814.pdf
  6. Lau, P., Woodward-Kron, R., Livesay, K., Elliott, K., & Nicholson, P. (2016). Cultural respect encompassing simulation training: Being heard about through broadband. Journal of Public Health Research, 5(1), p. 657. DOI: 10.4081/jphr.2016.657
  7. Country Health Rankings. (2018). Cultural competence training for health care professionals. Retrieved from http://www.countyhealthrankings.org/take-action-to-improve-health/what-works-for-health/policies/cultural-competence-training-for-health-care-professionals
  8. Young, S. & Guo, K.L. (2016). Cultural diversity training: The necessity of cultural competence for health care providers in nursing practice. The Health Care Manager, 35(2), p. 94-102. DOI: 10.1097/HCM.0000000000000100.
  9. Grossman, S., Mager, D., Opheim, H.M., & Torbjornsen, A. (2012). A bi-national simulation study to improve cultural awareness in nursing students. Clinical Simulation in Nursing, 8(8), p. 341-346. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ecns.2011.01.004
  10. Morell, V.W., Sharp, P.C., Crandall, S.J. (2009). Creating student awareness to improve cultural competence: Creating the critical incident. Medical Teacher, 24(5). DOI: https://doi.org/10.1080/0142159021000012577
  11. El-Toukhy, S. (2018). Health literacy: Why it matters for minority health and health disparities. U.S. Department of Health and Human Services Office of Minority Health. Retrieved from https://www.minorityhealth.hhs.gov/Blog/BlogPost.aspx?BlogID=1245
  12. Ibid.
  13. Abderrahman, B. (2017). Health literacy, medication adherence and thriving healthcare systems: Connecting the dots. The Pharmaceutical Journal. Retrieved from https://www.pharmaceutical-journal.com/opinion/insight/health-literacy-medication-adherence-and-thriving-healthcare-systems-connecting-the-dots/20203831.article?firstPass=false
  14. Howard, D.H., Gazmararian, J., & Parker, R.M. (2005). The impact of low health literacy on the medical costs of medicare managed care enrollees. The American Journal of Medicine, 118(4), p. 371-377. DOI: https://doi.org/10.1016/j.amjmed.2005.01.010
  15. Zaggar, M. & Ndefo, U.A. (2017). Medication nonadherence in the latino population: A challenge and an opportunity for specialized services. The Pharmacy Times. Retrieved from https://www.pharmacytimes.com/news/medication-adherence-in-the-latino-population
  16. El-Toukhy, S. (2018). See reference #14.
  17. Weekes, C.V.N. & Phillips, T.M. (2015). A mile in my patient’s shoes: A health literacy simulation for baccalaureate nursing students. Clinical Simulation in Nursing, 11(11), p.464-468. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ecns.2015.09.001
  18. Ozkara San, E. (2015). Using clinical simulation to enhance culturally competent nursing care: A review of the literature. Clinical Simulation in Nursing, 11(4), p.228-243). DOI:  https://doi.org/10.1016/j.ecns.2015.01.004
  19. Robeznieks, A. (2015). Looming nursing shortage fueled by faculty shortfall. Modern Healthcare. Retrieved from https://www.modernhealthcare.com/article/20150124/MAGAZINE/301249971
  20. U.S. Census Bureau. (2015). New census bureau report analyzes U.S. population projections. Retrieved from https://www.census.gov/newsroom/press-releases/2015/cb15-tps16.html
  21. Altarum. (2019). Looking to the future: Improving the diversity of health care workforce. Retrieved from https://altarum.org/health-policy-blog/looking-to-the-future-improving-the-diversity-of-the-health-care-workforce

*Office of Minority Health. (2016). Stroke and african americans. U.S. Department of Health and Human Services. Retrieved from https://minorityhealth.hhs.gov/omh/browse.aspx?lvl=4&lvlid=28

**Howard, C. (2018). The state of minority mental health. Mental Health First Aid. Retrieved from https://www.mentalhealthfirstaid.org/external/2018/04/state-minority-mental-health/

***Families USA. (2019). Racial and ethnic health inequities among communities of color compared to non-hispanic whites. Retrieved from https://familiesusa.org/product/racial-and-ethnic-health-inequities-among-communities-color-compared-non-hispanic-whites